A Colônia Riograndense de Maracaí é originalmente composta por famílias de origem germânica, vindas de outras colônias alemãs no Brasil, da Alemanha, e de outros países da Europa, e foi fundada em 1922. A língua comum era o alemão, falado em diversos dialetos de acordo com a origem de cada família. A religião predominante era a Luterana, onde eram preservadas as tradições por meio dos cultos religiosos, comemorações como o Dia da Reforma Protestante, corais, festividades, casamentos e batizados. A Cooperativa Riograndense, fundada em 1939, também foi outra forma de integração da colônia, e ostentou o título de maior produtora a nível nacional de alfafa, absorvida quase na totalidade pela cavalaria do governo.



 

A Imigração Alemã em Maracaí manteve viva suas tradições, sua língua, suas práticas culturais e escolares. As aulas eram com material próprio, em alemão, e muitos habitantes da colônia aprenderam o idioma alemão antes do português. A colônia tinha um grupo de danças folclóricas chamado “Goldener Sonnenschein", corais, conjuntos musicais e apresentações teatrais em alemão. O Clube da Curva realizou muitos anos a tradicional festa do chopp, a Oktoberfest.




Hoje a influência germânica ainda pode ser vista na arquitetura, no idioma, que ainda é falado por muitos habitantes, nas festas típicas da Igreja Luterana, como o almoço no Dia dos Pais e Dia das Mães e na tradicional festa da Costela no Chão, onde são assadas cerca de 150 costelas. Nos arredores da Igreja Luterana está situado um cemitério onde estão enterrados os pioneiros da Colônia Riograndense.





Galeria de fotos